quarta-feira, 16 de junho de 2010

Flores do Bem

Contemplação na água
Aceite a passagem
das horas. E, sério,
debruce num tanque:
há luz e mistério.

Se doem os olhos,
não se desespere:
contemple sorrindo
a água que os fere.

Esse rosto parvo
talvez seja o seu:
se está mais magro,
apenas cresceu.

Não amaldiçoe
a primeira ruga:
chegamos à esquina
da célere fuga.

Um raio de sangue
ascende ao espaço?
É que, sob as ondas,
há rumor de passos.

De cada memória
Vem algo no peito
e, mesmo que a alma
não cale os defeitos,

ó como se ama
na tranqüilidade!
Situe o seu corpo
no sonho da idade.
_______
Sataka de Bhartrihari
(Índia, c. A. D. 650)


Terra minha mãe, pai ar, amigo fogo
água minha prima querida
e você éter meu irmão –

- este é o último adeus
para vocês.

Agradeço o que fizeram por mim
enquanto estivemos juntos.

A alma conheceu
seu pouco entendimento afinal
e agora volta como pode
para o Absoluto total.

(Original em sânscrito.Tradução, versão inglesa, Leonardo Fróes)

____
Vertigens, Leonardo Fróes, Rocco, RJ, 1998.
_________________

Um comentário:

Anônimo disse...

Martha,

Seu lindo Caderno Aquariano anda mais fascinante do que nunca, porque vc anda mais fascinante e exuberante do que nunca!

beijos
denise