Páginas

segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz 2008!

Bíblia de Jerusalém
Isaias 26
3- “Está decidido: tu manterás a paz,
sim, a paz, porque a ti foi ela confiada.”

Isaias 32
17- “O fruto da justiça será a paz,
e a obra da justiça consistirá na tranqüilidade e na segurança para sempre.
18- O meu povo habitará em moradas de paz,
em mansões seguras e em lugares tranqüilos.”

Isaias 54
10- “Os montes podem mudar de lugar
e as colinas podem abalar-se,
mas o meu amor não mudará,
a minha aliança de paz não será abalada,
diz Iahweh, aquele que se compadece de ti.”

domingo, 30 de dezembro de 2007

Casa das Palmeiras - Renovada!



Viva os clientes, razão primeira da Casa!

A Casa das Palmeiras, Rua Sorocaba 800, Tel 2266-6465, Botafogo, se recuperou de seu terrível incêndio criminoso, perverso e cruel ( laudo do Corpo de Bombeiros) ano passado, em 3 de setembro de 2006, quando obras dos clientes nas paredes e muitos trabalhos catalogados nas estantes, mais toda a documentação histórica que se encontrava nos arquivos, foi destruída. Livros de Ata, livros, cadernos, cartas, fotos, vídeos. Móveis, computador com acervo de imagens e registros, etc.
Sofrimento irreparável para os clientes que ficaram extremamente feridos internamente, mas cheios de esperança em retornarem à Casa. Daí grandiosos esforços.
Todos nós que trabalhamos na Casa e que fomos amigos muito próximos de NISE DA SILVEIRA nos sentimos renovados das cinzas. Ave Fenix ! Tudo se fez graças aos árduos esforços do Presidente da Casa, Sr. Paulo Alberto Monteiro de Barros (Artur da Távola) frente à Prefeitura Municipal, Rio de Janeiro. Assim como da Vice-Presidente Sra. Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros, orientando no melhor desempenho da qualidade da recuperação, e angariando recursos da Petrobras e de amigos para completar no trabalho estrutural da Casa.
Na ocasião as Sras.Vera Macedo - diretora técnica, Marie Christine Duniau - médica, Dionysa Brandão- tesoureira e eu, Martha Pires Ferreira, coordenado as atividades plásticas, não poupamos sacrifícios para acompanhar os operários, agilizando-os, a fim de terminar no mês de agosto deste ano de 2007, diante das expectativas imensas dos tão queridos clientes da Casa. Além disso a recuperação de toda a documentação em cartório/registros.

Os clientes são a razão primeira da Casa!

No retorno da hospitalidade do Instituto de Nutrição Annes Dias, a Casa teve espontânea colaboração de Edgar de Melo Tavares - médico, Sônia Andrade - que foi coordenadora, dos funcionários, dos colaboradores e das estagiárias na limpeza e na reorganização interna para o seu funcionamento natural de cada dia. Trabalho gigantesco de todos.
A Casa passou a ser atuante com plena atividade nos ateliês de Desenho, Modelagem. Música, Arranjo Floral, Teatro, Trabalhos Manuais, Baile, Lanche, Passeios, Expressão Corporal, Contos de Fada, Jardinagem, Xilo, Poesia e tantas coisas mais que propiciam a criatividade espontânea.

A Casa vive um momento de transição profunda de resgate das idéias fundamentais deixadas por Nise da Silveira.

"A Casa das Palmeiras é um pequeno território livre". "Optou pela pobreza e liberdade" - Nise.

Estamos vivendo das mensalidades de algums clientes ( a metade é não pagante), mais cuidadosas economias de uma ajuda da Petrobras e doações dos que amam esta OBRA FRANCISCANA. A Direção, os estagiários e todos os colaboradores trabalham voluntariamente . Aceitamos mãos generosas para ofertar.

A Casa das Palmeiras independente e livre de coleiras não pertence a nenhuma REDE. Não tem "convênios", "vínculos" como mordaças. Jamais será um espaço de "negócios" ou "comércio" de suas atividades expressivas. Na Casa das Palmeiras os clientes realizam espontaneamente seus trabalhos expressivos, que são assinados, datados e arquivados para serem estudados em série, seguindo os princípios deixados por sua fundadora, Nise da Silveira.

A Casa das Palmeiras é uma instituição de convívio afetivo, de criatividade, de pesquisa e de ciência.


Viva a Casa das Palmeiras!

sábado, 22 de dezembro de 2007

Pilot e Selos

Desenhar é um ato de liberdade

Artes de Portas Abertas, 2007

[ quatro paredes de uma sala / casarão]

domingo, 16 de dezembro de 2007

Signo de Sagitário - Primavera / hemisfério sul


A Astrologia é linguagem simbólica.
Sagitário pertence ao elemento Fogo - Analogia com Júpiter, masculino, mutável.
Sagitário é o 9º signo do Zodíaco (de 21-22-23/nov. a 21-22-23 dez - dependendo da latitude e longitude de nascimento).
Características agradáveis e desagradáveis deste signo:
Progresso. Expansão. Conceitos. Princípios. Leis. Magistratura. Sacerdócio. Magistério. Julgamento. Ordem. Conhecimento. Cultura. Ética. Dogmas. Rituais. Doutrinas. Religiosidade. Justiça. Regras. Metas. Valores morais. Dissimulação. Esportividade. Hipocrisia. Instinto de nômade. Busca de um caminho. Eventos culturais. Exageros. Licenciosidade. Lealdade. Nobreza de caráter. Reflexos vivos. Arbitrariedade. Bom senso. Direção. Método. Expansão intelectual. Idealismo. Filosofia. Estética. Política. Ciência e tecnologia. Generosidade. Espiritualidade. Arrogância. Elitista. Hierarquia em geral. Ímpeto voraz. Indignação. Orgulho. Preconceito. Soberba. Exagero. Entusiasmo. Reservas. Densidade. Viagens geográficas ou intelectuais. Progresso econômico e social. Evolução da personalidade. Poder e altivez. Inquietação cultural. Impulsividade. Êxito. Evolução da personalidade.

sábado, 15 de dezembro de 2007

Flores do Bem / Poesia

NATAL

Olavo Bilac (16 dez. 1865/1918)

Jesus nasceu! Na abóbada infinita
Soam cânticos vivos de alegria;
E toda a vida universal palpita
Dentro daquela podre estrebaria.

Não houve sedas, nem cetins, nem rendas
No berço humilde em que nasceu Jesus...
Mas os pobres trouxeram oferendas
Para quem tinha de morrer na Cruz.

Sobre a palha, risonho, e iluminado
Pelo luar dos olhos de Maria,
Vede o Menino-Deus, que está cercado
Dos animais da pobre estrebaria.

Não nasceu entre pompas reluzentes;
Na humildade e na paz deste lugar,
Assim que abriu os olhos inocentes,
Foi para os pobres seu primeiro olhar.

No entanto, os reis da terra, pecadores,
Seguindo a estrela que ao presépio os guia,
Vêem cobrir de perfumes e de flores
O chão daquela pobre estrebaria.

Sobem hinos de amor ao céu profundo;
Homens, Jesus nasceu! Natal ! Natal !
Sobre esta palha está quem salva o mundo
Quem ama os fracos, quem perdoa o Mal !

Natal ! Natal ! Em toda a Natureza
Há sorrisos e cantos, neste dia...
Salve Deus da Humanidade e da Pobreza,
Nascido numa pobre estrebaria!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Flores do Bem / Poesia

O POEMA

É este o poema:

Estou perdido como fera acuada.
Ao longe há gente, liberdade e luz.
Gritam por trás de mim os que perseguem
E não tenho caminho à minha frente.

Como sombrio bosque sobre o lago
Ou toco de pinheiro derrubado,
Aqui estou de tudo separado,
Mas tudo o que vier já não importa.

Mas que baixezas tenho cometido,
E por que sou assassino ou sou vilão,
Se levei a chorar o mundo inteiro
Sobre as belezas desta minha terra?

Perto da sepultura já me encontro
Creio, porém, que há de chegar o dia
De o espírito do bem lograr vitória
Sobre toda a maldade e toda a infâmia.

Boris Pasternak, 10 fev. 1890/1960. Poeta e romancista russo. Prêmio Nobel de Literatura 1958.

domingo, 9 de dezembro de 2007

Delírios meus / Utopias


As esquerdas sofrem o massacre das políticas show mídia do capitalismo selvagem. Há muito não tenho fé nos caminhos das esquerdas/como encaminhavam seus projetos/seus olhares para o futuro da humanidade. Nem por isso deixei de observar o aparente triunfo do $$$$ nas mãos de poucos. O capitalismo brilha, descendo as escadas. Quanto mais brilha, mais seduz e ilude em artifícios. Consumimos o inconsumível ! Globalizados perdemos a direção ! Paradoxalmente tudo é precisão matemática na ordem do universo.
O ano 2008 está aí, o céu sinaliza; que os mortais saibam ler o que está escrito nas estrelas. Em 2010 teremos o ciclo de 164 anos da descoberta do senhor da águas, Netuno (1846). O ano de 2012 marcará o retorno de Netuno data da publicação do revolucionário e atualíssimo Manifesto Comunista (1848). Luzes de realidade objetiva no fim do corredor! Marx e Engels estarão em alta..... Estes dois homens, e tantos outros, juntos pensavam a História e Marx corajosamente registrou como a burguesia do séc. XIX produzia seus próprios coveiros. Os ciclos são longos em contínua precisão. O feudalismo tem suas cordas de palha no passado tão bem traçadas que perduram até hoje, oriente/ocidente fantasiado de burguesia. O senhor feudal e o senhor burguês são peças do mesmo jogo de dominação e injustiça, de exploração e imbecilidade intelectual.

O livro mais lido nestes próximos anos será o MANIFESTO COMUNISTA. Irmãos, uni-vos!

Teremos os planetas Plutão/Capricórnio, Netuno/Aquário e Urano/Peixes nos três últimos Signos do Zodíaco - quando isto se deu? Perdemos no Tempo-Espaço. Júpiter percorrerá os signos de Capricórnio/ Aquário/ Peixes apontando direções velozes. Saturno/Virgem eliminará excessos. A TERRA há de gemer e estremecer; todos estarão no mesmo barco. Os donos do mundo terão que colocar suas cartas nas mesas, serão forçados a conversar nas diferenças. Árvore podre tem raízes podres. Nova ceiva será necessária. O mundo ficou pequeno numa sala circular onde cada um verá o outro frente a frente. Não haverá outra saída e estamos percebendo isto.
O conceito de propriedade terá que ser repensado, mesmo os modelos rígidos de Marx - consciência de que todo cidadão/ã do planeta merece moradia digna. No bojo da sociedade alienada irromperá uma revolução aberta - social e artístico-criativa - sem derrubada ostensiva, mas processo natural do direito de pensar, morar, trabalhar, se divertir, viver e possuir todas as riquezas deste universo em tecnologias e bem estar geral.
Todos juntos viveremos com perplexidade os estragos feitos para com a Natureza Mãe. Entretanto a Natureza é sábia, nos ensinará mais uma vez a sua potência e a sua imperiosa majestade. O ciclo de Júpiter de 2008 a 2020 será a grandeza do Senhor do Olímpo ordenando, simbolicamente, renovados princípios; cuspindo seu fogo criador por um mundo mais, justo, ético, humano, culto e consciente. Delírios meus. Utopias.
(MPF, Advento de 2007)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Elementos da Natureza


A Filosofia na Idade Média

Etienne Gilson (referindo-se a São Basílio).

“No início os quatro elementos estavam misturados. Cada um deles ganhou seu lugar natural: o FOGO em cima, depois o AR, a ÁGUA e a TERRA.
O FOGO constitui a substância do céu e se estende até as Águas que estão no firmamento (Gen.1,6). Abaixo do firmamento estão o AR e as ÁGUAS que formam as nuvens.
A LUZ foi criada logo depois dos elementos e, por conseguinte, antes do próprio Sol, que só foi criado mais tarde para portá-la e transmiti-la. O AR recebeu a Luz por uma difusão instantânea.
Cada elemento possui uma qualidade característica: o FOGO é quente, a ÁGUA é fria, o AR é úmido e a TERRA é seca.
Eles nunca se oferecem a nós em sua pureza original e cada um deles pode se misturar aos outros contraindo algumas se suas qualidades.
Por ser fria e seca, a Terra pode se unir à Água, que é fria e úmida e, por sua vez, a Água pode se unir ao Ar, úmido e quente, este pode se unir ao Fogo, quente e seco, o que nos traz de volta a Terra, que é seca e fria.
Esta concórdia da harmonia dos elementos torna possíveis suas combinações, que são a textura mesma da ordem universal.”