quinta-feira, 21 de junho de 2018

Signo de Cancer

Iluminura, séc. XV -  signo de Cancer

O Sol inicia seu percurso anual no signo de Câncer, Rio de Janeiro, às 7h10, amanhã, 21 de junho de 2018. Inverno / hemisfério sul. 

A Astrologia é uma linguagem simbólica como já foi colocado.
 Relógios ~- Suécia, Suiça e Praga.

O signo de Câncer pertence ao elemento Água - Analogia com Lua – princípio cósmico da imaginação - feminino cardinal.
Artemis, Diana - associada à Lua
É o 4ª signo do Zodíaco (20-21-22/jun. a 22-23-24/jul. dependendo da latitude e longitude horária)
Catedrl de Chartre - vitral
Características agradáveis e desagradáveis deste signo:
Raízes. Lar. Família. Parentes. Fecundidade. Ancestralidade. Tradição. Memória. Parcialidade. Nostalgia. Poesia. Sentimento. Sensibilidade. Delicadeza. Sonho. Quimera. Ilusão. Proteção. Receptividade. Imitação. Maternidade. Amamentação. Feminilidade. Imaginação. Passividade. Inconsciente. Ressentimento. Susceptibilidade. Lágrima e choro. Pressentimento. Percepção. Dedicação. Receios. Impressionabilidade. Frieza emocional. Patrimônio. Conservadorismo. Fragilidade. Instinto. Emotividade. Envolvimento. Domesticidade. Resistência emocional. Espírito gregário. Senso de defesa. Controle. Capricho. Infantilidade. Imitação. Alteração de humor. Alimentação. Nutrição. Etnias.
O corpo humanono Zodíaco
Tudo escrito nas Estrelas para boa orientação na Terra -
quem tem olhos para ver que apreenda.
 Os sinais dos Céus nos ajudam, simbolicamente, 
em tempos de travessias.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~


quarta-feira, 20 de junho de 2018

– “Eu conheço minhas ovelhas”.

“Eu conheço minhas ovelhas”.

Na minha visão de mundo toda organização militar tornou-se Organização da Morte. Crua realidade com odor do Tártaro; sedutor Senhor dos Infernos - mitologia grega, Teogonia, origem dos deuses – Hesíodo!
A banalidade da violência prevalece. Meu repúdio. Sou pacifista por natureza. Gosto das polêmicas, sabor nas diversidades, paixão pela eloquência líbera, com elegância na retórica. Inimigos? Inimigas? Desconheço. Tenho sim adversários/as, e as mantenho à distância quando não se avança para o caminho do entendimento, harmonia, concórdia. Impossível bom acordo quando falta generosidade, alteridade, troca mútua, mesmo em bens materiais e espirituais, justos - trabalho do cotidiano. Como é bom partilhar, dividir, somar! O Sol nasce para todos, indistintamente. Continuo a acreditar na evolução progressiva e lucidez da Humanidade; fogo criador em níveis cada vez mais elevados de condição humana; Campos Elíseos, Terra dos Bem Aventurados, aqui, neste Planeta comum que habitamos.
Resgato por identificação, a cada instante, a figura histórica de JESUS, o Galileu; o pacifista por excelência. Aquele que amou demais - meu Ícone!
Não estou interessada em controvérsias com instituições cristãs em sua tacanhez e desvios de conduta, mas sim, em afirmar, vir ao público leigo, a filosofia, o exemplo de vida real do Homem supra-humano que foi o Galileu, JESUS - o Bom Pastor de suas ovelhas!
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

terça-feira, 19 de junho de 2018

Liberdade de escrever _ a noite

Lenta surge a noite em sua imensa, extensa, beleza – mistérios profundos na carne, mergulhos na alma. Tão longe, tão perto. Sentimentos sutis, intuições em horizontes vagos. Nada se estanca no mundanizado vazio, passageiro. O eterno sendo, agora, atua. Passos na escuridão das horas, dia, 19 de junho. Meus olhos contemplação. 
  
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

domingo, 3 de junho de 2018

Exposição VERTICAIS

Crina de cavalo sobre papel artesanal e aquarela, 2017
Flor Azul bordado ponto cheio sobre tecido, papel artesanal e pena nanquim, 2018
Espiral frivolité sobre papel artesanal e friso aquarela, 2018.


SONAR (desenho _ registro do som do oceano) - cilindro de acrílico, solto na cambraia de linho com friso pena nanquim, 2018

Convergência na pluralidade.

  Exposição - VERTICAIS - 2 a 30 de junho de 2018 - Casa Amarela, 20 anos 
FLORES!  - o mundo quer flores
Aquerela e selo, 2018. - Pena de nanquim e aquarela, 2017

Unidade na diversidade, na diferênça de estilo. 
A Arte é por si generosa!

Eu, Dirce, Janete, Regina e Jabim





Um quinteto  - Curadoria - Dony Gonçalves

Montagem - Celso Honório
Casal anfitriões-mecenas - Casa Amarela - Teresinha e Jorge Ribeiro. Foto de Jenete Bloise

Esta foto - Salgado Morais
Foto de Pedro Gentil - Vestido performático desenhos na vertical >  rrrss
Estarei presente aos sábados - junho - das 14h às 19h  _ com um bom café e conversa. Amigos e Amigas, meus amores, afetuoso agradecimento pela presença. 
Vendi seis desenho. Até mais sempre, martha.
------------------------------------------

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Presença das mulheres

Iluminura de Hildegard von Bingem, séc. XII 
- o ser humano em sua totalidade cósmica.

As mulheres são meus espelhos, desdobramentos de mim, na identificação com o universo feminino; delicadeza, afetuosidade, acolhimento, intuição. Sempre tive e tenho queridas amigas que se fizeram na família; mãe, irmãs, tias, primas, as da juventude, as mestras, e, outras muitas se estendendo ao longo da vida. Minhas amigas, minhas queridas irmãs de coração; companheiras nos divertimentos, na dor e na alegria.
A mulher é o princípio que assume o materno, que acolhe e protege independente do fato de ter ou não gerado filho/a, é o fio feminino que emerge nas origens de todas as coisas. A mulher tem por essência a função criadora da psique; elo entre o mundo objetivo e subjetivo, consciente e inconsciente, o sombrio/obscuro e o luminoso existente em cada um de nós. Tenho mais afinidade com as mulheres criativas, realizadoras, produtivas, destemidas. Solidária no convívio; senso de alteridade.
 minha mãe Henriqueta

Jamais admirei mulheres submissas, servis. Não tenho hábito de julgar, mas fico longe de posturas piegas, sentimentalismos de fundo de quintal, carências emocionais infantis, conversas banais inconsistentes, e, historietas com dramas amorosos. Não é ser moralista não entender, por exemplo, triângulos afetivos velados. Prezo respeito pelo outro ser humano. Ser mulher é viver a vida sabendo não ferir, saber se reservar, ser perceptiva e medir as consequências. Ser livre não é sinônimo de ser leviana. Ser mulher é viver a sensualidade e sexualidade com beleza interior; não é só o corpo a se expressar, é toda a natureza feminina manifesta com inteligência. As sensações se evaporam, no tempo. Preciosas amizades, sim, são saudáveis.
Não importa o nível de cultura, ser mulher é ter dignidade nas atitudes, ter ética, certa dose de simplicidade, generosidade e consciência social.
Com os homens aprendi a pensar, classificar, ordenar, raciocinar, contestar, me impor altiva, mas foi no faro feminino que apreendi as sutilezas da intuição, sensibilidade, apreensão cósmica, tocar no mistério da vida. Ah, a Mãe Natureza sempre me ensinou na caminhada.
Fiz grandes amizades com mulheres desafiadoras, responsáveis, corajosas ao enfrentar a vida cotidiana. Impossível numerar as amizades com tantas mulheres sábias, determinadas, sensíveis e corajosas que passaram e estão em minha vida. Muitas são mulheres/alunas que se formaram em meu entorno com plurais inclinações existenciais, culturais, e, se mantiveram amigas para sempre.
 Cecília

Penso neste momento em mulheres que me abriram horizontes; Cecília Meireles que só a conheci em suas palestras, Alice Marques dos Santos do Grupo de Estudos C. G. Jung e Ir. Maria Emmanuel, prima e amiga, pelas traduções de Thomas Merton. Sempre recorro às místicas Hildegard von Bingem em sua arte, conhecimento e poesia, e, Teresa d’Ávila no Castelo Interior. Mais recente Hannah Arendt, leitura, sua visão política.
 Ir. Maria Emmanuel 
 Teresa d'Ávila

Hannah Arendt
Influência imensa no caminho da individuação é a saudosa Nise da Silveira, com quem convivi em preciosa amizade e colaboração de 1968 a 1999 quando partiu para outras dimensões; sábia mestra em tudo, mulher-mãe dos despossuídos, degradados, marginalizados, feridos mentalmente, amante da natureza, das artes e dos animais. Nise, mulher ultra-humana, usando palavras de Teilhard de Chardin. Nise, coração da loucura, na totalidade.



   Alice, Nise e eu - 1993.
Tarde de 30 de maio de 2018, Santa Teresa
Foto minha de Nise - Poema à Natureza, 1970 / instalação Santa Teresa. 

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Tranquilidade e Felicidade na Terra !

...e seremos saudáveis para sempre! 

domingo, 27 de maio de 2018

Exposição Verticais // Liberdade de escrever _ desenho

                                                   rosto de jovem, 2014.
VERTICAIS – Exposição - 
Casa Amarela 20 anos.
Dia 2 de Junho 2018, às 18h – sábado.
Rua Hermegildo de Barros 163 – Santa Teresa
Quinteto de artistas - 
Dirce Fett, Jabim Nunes, Janete Bloise, Regina Hornung e eu, Martha
 - Dony Gonçalves - artistas curador.
- meus desenhos na reserva técnica.

vasos na mesa, 2011.   
masculino e feminino, 1999.
labirinto no selo, 2008.
Liberdade de escrever – Desenho 2
Sou ponto, linha, traço, curva, reta, círculo, vertical, horizontal, diagonal, paralela, interseção de planos, poliedro, ângulo, régua, compasso, centro, eixo, fio inclinado, oblíquo, segmento de rotação, desenho infinitos.
Espaço vazio atrai o que a inteligência instiga, provoca. A imaginação é intuitiva, visceral, desafiante. O mais é o mais, nada mais que silêncio.
jovem de chapeu, 2013
jovem moderna, 2014.

Exercícios da criatividade: desafiar traços com bico de pena a nanquim Micron 02, 03, ou, lápis grafite Staedtler 4B, ou, Lápis de cor, uso da aquarela - diretos no papel de boa qualidade. Imagens que se revelam!
                                                     forma no espaço, 2011.
~~~~~~~~~~~~~~~~~