quinta-feira, 26 de maio de 2016

Corpus Christi


 “Comeram e todos ficaram saciados”.
 (s. Marcos 8,1-9)
O que me atrai, em muito, em Jesus de Nazaré é esta Sua mensagem de espírito igualitário, fraterno, sem exclusões. Um socialista por excelência. Distribuiu pães e peixes para todos. Eram sete pães e poucos peixinhos – deu graças e os distribuiu. Todos ficaram saciados e chegou a sobrar. Como? Como? Fácil - todos os presentes abriram seus borneis/sacolas e dividiram o que tinham fraternalmente entre eles. Cada um deu o que tinha. Seguiram o exemplo de Jesus; partilha.
 // Jesus é Corpus Christi – comunhão entre todos indistintamente.
 Mosaico - Basílica - Ravena - época paleocristão.
Cristo sem barba realiza a multiplicação
 dos pães e dos peixes.

mosaico bizantino - Cristo Pantocrator -Sicília - Itália
Como podem ver sou cristã e socialista-zen. 
---------------------------------------------------------------

terça-feira, 24 de maio de 2016

Era de Aquarius - reeditando

Era de Aquarius

                                                    Martha Pires Ferreira

 Jornal Rolling Stone, 1972, nº 15, pág. 16 – RJ.

[Escrito há quarenta e poucos anos. Cortes por ser artigo longo /o negrito é atual]

Santa Hildegard von Bingen -  o ser Cósmico - séc. XII 

        A Astrologia, embora não seja ainda levada a sério pelo academicismo de nossa época, é tão antiga quanto o homem. O estudo dos astros surgiu provavelmente de uma apaixonada tentativa de descobrir o segredo da vida e da morte. Conhecida por todas as civilizações e culturas, a Astrologia permanece até hoje como ciência e arte de caráter experimental, de observação, que estuda as relações entre o homem e os planetas do sistema solar – o comportamento do ser humano no espaço das forças cósmicas.
         É a arte das correspondências universais aplicadas aos indivíduos de toda natureza.
 “Astra inclinant, non necessitant”.
Os astros dispõem, mas não impõem;
        (...)
        Não darei dados de Astronomia para explicar que o eixo vernal, por um processo de retrocesso se afasta do signo de Peixes, por onde passou vinte séculos, e se aproxima agora do signo de Aquário. Depois do ano 2000 aproximadamente, por volta do ano 2014, podemos dizer que este eixo passou para a constelação de Aquário, dando assim início a uma nova Era da História da Humanidade.
        [há controvérsias quanto esta data, mas isso não me atinge/toca]
        Como não se pode afirmar categoricamente nada a respeito de acontecimentos futuros, acredita-se apenas que esta época será de grande esclarecimento mental para a humanidade inteira. A Era de Aquário é o despertar da Intuição – apreensão imediata. Tendendo a humanidade então para maior expansão espiritual e científica. Era da libertação (...). O homem/ a mulher em busca da sabedoria – e por uma espécie de vidência – sabe o que pensam, são ou desejam todos os outros. (...) É o ser se ampliando em todos os sentidos e em todas as direções. É a ciência tomando novos rumos, rumos estes que permitirão conhecimentos até agora enigmáticos para a humanidade. Anuncia na verdade um estado superior da evolução humana – um estado de esclarecimento individual – iluminação ou lucidez da consciência.
         [Não tínhamos ainda tecnologia tão avançada / celulares com tanta forte de informação]
           (...)
           A Era de Ouro da Humanidade, segundo a filosofia Yogi. A Era da Beleza porque a Era do Caminho da Sabedoria. E quem sabe, a Era da Arte de Viver!!  O homem se harmonizando com sua natureza – com o alargamento do seu eu.
          (...)
          É interessante me estender mais um pouco. E até mesmo necessário. Estamos às portas do século XXI, esperando o decantado ano 2000 da lindeza e da solidariedade, da cor e do som, da paz e da felicidade paradisíaca. Para alguns esta Era já iniciou por
antecipação, mas apenas aparentemente, porque a Era de Aquário não é como se sabe (e os videntes também sabem), o privilégio de uns poucos ou de um grupo humano mais bem dotado, seja lá em que for. A era do próximo milênio é primordialmente o reencontro da humanidade inteira – na qual ninguém está interessado em aparecer mais ou menos, ser mais, ou melhor. Não resta dúvida que os sintomas desta Era da Intuição já se fazem presentes – em pequenos núcleos – nos mais diferentes setores da atividade humana. Entretanto, antes de entrarmos nesta plenitude de viver, sofrerá o mundo todo com a humanidade inteira, a mais completa e fundamental transformação. Um cataclismo! E as décadas que vão dos meados de 1970 ao ano 2000 não serão nada muito eufóricas, nem floridas.
         [E esta data, 2014, tem se estendido pelo séc. XXI].
          E ao lado desta efervescência vivemos paradoxalmente uma crise como nunca se ouviu falar – o desencontro humano é geral. A mente inquieta e aflita tenta com todos os esforços solucionar problemas cada vez mais complexos – impossíveis mesmo de serem resolvidos. E mergulhando um pouco mais fundo, parece mesmo que qualquer tentativa de harmonia geral entre pessoas ou nações é realmente inútil. A humanidade está se desentendendo cada dia mais. Por todos os lados a violência, a agressão, a insatisfação individual e coletiva. O homem está sofrendo e não adianta querer esconder de si próprio tal verdade. A crise é cultural, moral, política, econômica, religiosa, sociológica. E esta crise entrará num crescente enorme – a fome aumentará cada dia mais – o descontrole geral chegará às vias do absurdo!!! Velhas tradições, velhas convicções, velhos ideais e costumes, velhas leis éticas e metafísicas sofrerão assombrosas modificações antes do surgimento do Novo Ciclo da Raça Humana. Não são poucos os que estão atentos, conscientes e sabedores de tais perspectivas. Parece mesmo que a humanidade inteira está despertando para enfrentar a metamorfose morte-ressurreição! Como em todas as metamorfoses, em todas as grandes mudanças – o que é formoso, belo e precioso, surge da depuração – como na Alquimia. Depuração esta que se processa acompanhada de muito trabalho e dor.
          Este período de desencontro que antecede a Era de Aquário e que já estamos atravessando, pode ser visto como um fenômeno apocalíptico. O estado psíquico geral da humanidade se torna cada vez mais perigoso. É o desabamento de velhos moldes: paradoxismos, incongruências, inconsequências, contradições, disparates – o imprevisível! Uma realidade altamente cheia de dúvida e absurda.
          As dores aumentarão e a humanidade há de gemer, estremecer e excitar-se. Ignorando completamente o que lhe falta, saberá apenas que sente dor e que necessita urgente de algo que a alivie e tranquilize.
          Quem tem a sua tocha individual bem acesa, quem permanece em estado de plena atenção, não tem o que temer. O observador atento da fenomenologia atual só tem uma saída: enfrentar o momento presente, enfrentar a si próprio e à escuridão da sua época, sem ditar dogmas ou princípios, que em pouco tempo estarão superados. O homem lúcido não perde a meta – ele trabalha incansavelmente por um mundo humano e pleno de alegria – ele sofre e não teme a metamorfose. – Aceita o peso do mundo sobre os seus frágeis ombros e não se desespera. Confia. Confia, sobretudo, nas forças da natureza. Acredita no amanhecer da lucidez universal. Confia no princípio coordenador de energias, nas forças renovadoras que emergem do centro mesmo da psique. Trabalha no silêncio e no amor.
          A Era de Aquário, uma utopia ou uma realidade? Consultem geólogos, sociólogos e astrônomos; eles têm dados interessantíssimos a respeito de acontecimentos singulares. Parece mesmo que tudo se transforma. Nada se pode afirmar, entretanto, só o tempo constata e confirma.
          Para alguns estudiosos, os 2000 anos que nos seguirão podem ser vistos também como a Era da Conquista do Espaço Cósmico, e o homem já deu provas suficientes de que isso é possível. Mas a Era de Aquário é, sobretudo, a Era do Descobrimento do Homem Interior – ERA DO HOMEM CÓSMICO. O estudo experimental da alma será o tema principal no campo das investigações científicas, nas escolas e nas universidades.
Num interesse profundo em conhecer a sua natureza íntima e a sua essência eletromagnética, o homem descobrirá que a alma é o divino se manifestando na matéria.
__________________________________________

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Patrimônio do Brasil - não está a venda


Brasil - bico de pena, aquarela e selo, 2013
Abaixo privatizações do patrimônio do Estado do Brasil.
Para o poder econômico-financeiro o Estado é dispensável.
Para o trabalhador assalariado o Estado é sua segurança.
O Patrimônio do Brasil não está à venda
Importante dizer que não sou assalariada, e, sim, autônoma. 
Tenho consciência por princípios morais e éticos. 
O Estado é a garantia do trabalhador,
 ele é quem sustenta a nação.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Dom Helder Câmara


Saudades de Dom Helder Câmara, santo rebelde brasileiro. Por um curto período trabalhei em sua obra, pelo Banco da Providência (fundada em 1959 -RJ), coordenando Ateliê de Artesanato na Parada de Lucas, sobre orientação de Dona Jardelina. Anos 1970 do séc. passado. E na Cruzada São Sebastião (fundada em 1956), Leblon, onde havia anteriormente a vergonhosa favela da Praia do Pinto. Sempre servindo como artista plástica.
Dom Helder, bispo católico, foi esmagado pela Ditadura dos anos 1964 em diante, e, em 1972, indicado ao Prêmio Nobel da Paz, foi impedido. Certa elite católica, medíocre, o tinha como “comunista” por ser um humanista impar lutando, ferozmente, contra as injustiças sociais. Criador, também, da Feira da Providência sempre visando atender nas bases os mais miseráveis; carentes em suas dificuldades existenciais. Nunca foi de gabinetes ou burocrata de sacristia. Nasceu no Fortaleza, Ceará, em 7 de fevereiro de 1909 e faleceu na cidade de Olinda, Pernambuco, em 1999. Conhecido, admirado e premiado em muitos países por sua ferrenha defesa aos direitos humanos e sociais, em particular pela compaixão para com os pobres e excluídos, servindo sempre aos mais necessitados. Porta voz por um mundo participativo, igualitário e fraterno.

Algumas reflexões do nosso saudoso Helder Câmara:
"O Cristo bem deve estar sentindo vontade de fustigar-nos com chicotada"

 
- 2ª edição - civilização brasileira, 1993 - tradução Ênio Silveira 
(editado primeiro na Europa em 1987 - entrevista com Roger Bourgeon)

domingo, 15 de maio de 2016

Domingo de Pentecostes

Missal cotidiano -Bruges, 1951
A Beleza da mensagem do Cristo está centrada na comunhão igualitária entre todos os seres da Natureza Mãe; minerais, vegetais e animais entre estes estão os seres humanos sem exclusões.
Jesus de Nazaré nos agrega a todos os mortais em fraterna presença solidária.

“Vinde, Espírito Santo, Dom da Sabedoria, 
enchei o coração de vossos fieis
 e acendei neles o fogo do vosso Amor.”

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Golpe Frio – maio de 2016

O branco é por eu mesma ter escrito antes no face e copiado posteriormente.

Prezados internautas, desde 2008 que venho acompanhando os descompassos calamitosos do Mundo contemporâneo. Acompanho, sobretudo, os jovens. Não é a política em si que me atrai, é o viver no mundo com suas contradições; a incapacidade de se viver em concórdia, justiça e tranquilidade, entre povos e nações.
Neste momento, Brasil, minha terra e meu povo.

Não estamos no mundo só pra nos divertir. Há de se pensar. A Grécia se sujou com o Julgamento de Sócrates (ler Xenofontes). Sócrates não se curvou, nem Dilma Rousseff se curvará. Os Deputados, os Senadores; GRANDE IGNOMÍNIA. As traíras ignoram a Constituição, o Estado de Direito. // O jogo macabro não terminou.
Não sou PT. Justiça pede é Justiça. O Brasil agradece ao PT por seus feitos, não há o que se negar. Cuidou do Brasil, mesmo com erros. O Brasil não foi à venda. As riquezas nossas, são nossas. E não estão à venda. 

Afastamento da Presidenta Dilma é político e não jurídico. A História escreverá o que aconteceu em tamanha infâmia. O jogo não terminou, as conquistas pela democracia são longas e duras. Claro que é Golpe. Não há qualquer fundamento jurídico. A Presidenta do Brasil chama-se Dilma Rousseff. Para quem este processo de Impedimento não é Golpe procure ouvir o grande jurista Dalmo Dallari. Sim, É Golpe. Dilma se manterá firme, não se acovarda.

O povo brasileiro está sendo obrigado a pensar. Amadurecer. Brinca de Carnaval e Futebol... Deixando o saber da Justiça e da Política de lado; pagará preço alto. O Povo amadurecerá diante da pequenez. Descida aos Infernos. 

A luta continua firme pela Democracia solidária, igualitária e participativa. O Brasil não merece as torturas do Inferno, do Tártaro. Não é derrubar a Presidenta Dilma Rousseff que está em jogo e sim à ânsia das privatizações no Brasil, às benesses de grupos internacionais.
Para os ricos, “capitalistas selvagens”, o Estado não os interessa, só os lucros e suas mordomias. Para os pobres o Estado é básico, é proteção, é segurança.
Em defesa da Petrobras, do Pré-Sal e das riquezas nacionais deve ser nossa posição. Não devemos nos abalar com o Golpe. A Luta Continua pelo Estado de Direito e pela Democracia Igualitária. O Brasil é nosso por direito constitucional, de todos por igualdade social. 
Momento histórico em que a infâmia está acima das Virtudes e do Direito. O Circo mantém o espetáculo grotesco, mas não terminou. 

Com Dilma Rousseff pela Democracia. Erros de gestão orçamentária não é crime. Qual o crime pessoal? A Lei não consegue prescrever. A Constituição é clara. A perversidade é sombria e negra.
 Tortura-se em nome de quê?
Sou brasileira em defesa das conquistas sociais, sobretudo do povo trabalhador que sustenta o Brasil com o suor de seu corpo a cada dia.
 Respeito aos votos de 54.501.118 eleitores. 
Grande infâmia. Não Ao Golpe.

sábado, 7 de maio de 2016

A Armadilha da Globalização


Felicidade para todas as Mães - Dia das Mães / 8 de maio - a Grande Mãe Natureza que a todos e a tudo acolhe.

A Armadilha da Globalização – Die Globalisierungsfalle (alemão - 1996).
Obra de Hans-Peter Martin & Harald Schumann – 2ª Ed. Globo, 1998.

Presente de meu filho, no dia das Mães, há 17 anos. Obra de dois jornalistas profetas.  Leitura para todos que pensam o  mundo da atualidade; direitos pessoais, coletivos/sociais e soberania do Estado.

 Recomento  - três capítulos (acabo de reler).
Cap. 4- A Lei da Selva
A onda de desemprego e as multinacionais
Cap. 6 - Salve-se quem puder, mas quem pode?
O declínio da classe média e a ascensão dos sedutores radicais
Cap. 8 – A quem pertence o estado?
A decadência da política e o futuro das soberanias nacionais.
-Possível encontrar na Estante Virtual –
[O Apocalipse no fio da navalha – todos estamos juntos no mesmo barco // um  Mundo solidário, justo, participativo e fraterno é uma construção possível].

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Céu dos Astrólogos - 6 de maio de 2016


     Um mundo fraterno e igualitário é possível.
     Olhemos o Céu em sua grandeza zodiacal com seus sinais. Não é o Mapa/Horóscopo Natal, configurado na Terra > local em longitude e latitude > que me atrai aqui, mas, sobretudo as configurações dos astros nos signos e elementos no Firmamento; posição e aspectos entre eles.
     Hoje, dia 6 de maio de 2016 > Vênus, Lua, Sol e Mercúrio e em signo de Touro- Terra > em trígono com Plutão em Capricórnio-Terra, que por sua vez faz trígono com Júpiter em Virgem-Terra. Domínio do elemento terra. Seis astros em Terra apontam: objetividade, precisão, apego, tenacidade, realização, conquista dos direitos materiais (em síntese). Marte e Saturno em signo de Sagitário- Fogo > em quadratura com Netuno em Peixe- Água e com Júpiter em Virgem-Terra (estes dois astros se opondo entre si) > tensões para se decidir, administrar, tomar posições definidas. Contrastes fortes entre forças antagônicas. Saturno faz um trígono com Urano em Áries – Fogo > responsabilidade frente ao coletivo, às questões do social - o imprevisível se manifesta. Plutão e Uranos continuam em fortes contrastes pela quadratura entre eles > Fogo e Terra - secos. Não se encontra um só astro no elemento Ar – difícil expressão das ideias; leve, volátil e/ou transparente, nos meios de comunicação.

     A luta continua, não terminou.
     Longa e dura batalha, ainda, pelas conquistas democráticas, solidárias, participativas e sociais, por uma Vida planetária digna, justa e harmoniosa. Pela lentidão dos astros transaturninos (Urano, Netuno e Plutão) a luta continuará por um longo tempo para ser solucionada em boa concórdia, seja no Brasil, seja no Mundo. Mas é assim mesmo no processo da evolução ou expansão das conquistas humanas em harmonia com toda a Natureza Mãe. Aos poucos vamos caminhando em valores mais soberanos para toda a Humanidade. Com a tecnologia e seus avanços o mundo ficou mais íntimo, pequeno e próximo. Mais perigoso, porém mais desafiador em sua sustentabilidade e conquistas humanas junto aos direitos pessoais, sociais e à natureza. Confrontos de forças opostas se atritando, se complementando, se interagindo para níveis mais elevados de consciência, sem duvida.

     Os “donos do mundo”, “prisioneiros do capitalismo selvagem”, serão obrigados a cederem diante dos apelos intensos da juventude, sobretudo. A Humanidade desprovida de segurança e justiça social geme e avança destemida. Há lugar para todos, há oportunidade para todos desenvolverem e realizarem seus sonhos, suas utopias. Um mundo fraterno e igualitário é possível.
martha pires ferreira - 6 de maio de 2016.

Brasil - atravessando a escuridão

Brasil atravessando a escuridão.

     A República Federativa do Brasil, não é Parlamentarismo, é República. Decidir o mérito de crime de responsabilidade, da Presidenta Dilma Rousseff, só pode ser constituído nos trâmites da República, tendo como base/garantias, a Constituição de 1988.
     Travessia difícil no caminho por uma Democracia participativa, igualitária e justa.  Atravessamos a noite dos sentidos, na escuridão, mas o jogo não terminou.
     Nada simples será efetivar o Golpe. Não se admite já estar com cartas marcadas. Rito de impedimento igual nunca houve na história republicana. Espera-se julgamento imparcial do Supremo Tribunal Federal, dos Ministros de notório saber jurídico e de ilibada reputação. O STF trabalha sem interferências - sabe que a parcialidade destrói a justiça. Cumprirá suas obrigações jurídicas / constitucionais.
     Ouvi de um jurista: “Iniciaram este processo de Impedimento da Dilma Rousseff e não saberão como terminar”. O que está em jogo é o Estado de Direito.
  Comprem a uma Constituição e leiam para um bom embasamento em acompanhamento jurídico. Trata-se de grave julgamento. Que não se vulgarize a Constituição – Cap. III - Do Poder Judiciário // Seção II - Do Supremo Tribunal Federal – ler Art. 101 e 102: 1º... a)... b)... c)...
     Um pouco de cultura jurídica é bom. O Brasil não é uma republiqueta, mas uma nação das mais poderosas do mundo com suas riquezas naturais.
     O jogo não está perdido. Dilma resiste. 


 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

terça-feira, 3 de maio de 2016

A Mitologia visita o Senado..


     A arrogante cultura positivista (modernidade e contemporânea) jogou na lixeira um tesouro; a Mitologia clássica. O tempo mítico é atemporal. A teogonia de Hesíodo nos mostra a tríade; ponto de partida - Caos, Eros (o Amor) e Gaia (Mãe Terra). E um pouco de Ovídio e Homero é bom para se decifrar a linguagem mítica e ler, no Universo dos Símbolos, os atos humanos.

     A Assembleia dos Deuses/afresco -
 Giulio Romano, 1532-35. Palácio Del Tè, Mântua, Itália.

     O nosso Parlamento/Brasil, e mesmo os Senhores do Mundo, estão conduzindo o quê? Para onde? Não se perderia em nada obter um pouco de conhecimento sobre o Tribunal dos Infernos.
      A Barca de Caronte /pintura -
 Michelangelo, 1508. Capela Cistina, Roma.

domingo, 1 de maio de 2016

Flores do Bem pelo Dia do Trabalho.


 Signo de Touro
     Todo o meu respeito aos homens e mulheres trabalhadores do mundo inteiro pelo dia de hoje, 1 de maio de 2016 – Dia do Trabalho.
     Sim, minha homenagem a todos que conheci que sempre honraram a boa batalha; meu pai e minha mãe, senhora de casa com seis filhos, meus irmãos, amigos/as e colaboradores em minha vida pessoal. A todos que lutaram e lutam por um Mundo justo, digno, participativo e fraterno.
     E viva São José, o carpinteiro! Exemplo de simplicidade.
Três Signos representativos do trabalho - elemento Terra - Touro, Virgem e Capricórnio.
 Signo de Virgem
      Sempre sonhei com um mundo feliz, igualitário, participativo e vivendo com amor ao trabalho. Sem exclusões. Utopias genuínas. Concluí curso de Advocacia (1965) e logo decepcionada com tamanho descalabro na prática do Direito trabalhista (ditadura militar), mudei de rota. Não suportei. Passei a advogar livre de Forum. Tornei-me libertária plena e para sempre em horizontes vários (1966). Mil caminhos e escolhas singulares percorri altiva, destemida.
 Signo de Capricórnio
     Homenagem, hoje, especial, à Nise da Silveira mulher que eu só vi trabalhando, desde 1968 quando a conheci, até sua morte em 1999. Meu espelho de combate cotidiano. Conheci Nise da Silveira e me identifiquei com seu pensamento e meta de vida. Capacidade impar de se amoldar à pluralidade, de amar a vida e trabalhar com intensidade até seus últimos dias. Sempre em comoção e generosidade diante dos que lutavam para se manterem firmes em suas escolhas pessoais. Imenso respeito aos que trabalhavam e se mantinham com dignidade numa sociedade desigual e injusta. Uma piedade e dedicação absoluta aos esfacelados psíquica e emocionalmente. Nunca se conformou com a desigualdade social. A vida inteira desprezou o conforto. Tinha uma vida franciscana, por demais austera, de total simplicidade. Igualitária, por excelência, nunca foi excludente. Ela sempre dizia: “Não entendo desigualdade social, não aceito”. Por vezes me disse: “Fui criança e jovem rica e sou médica pobre”. Amava a pobreza ou escolheu por opção se identificar com os degradados, os miseráveis, os excluídos, os marginalizados. Um amigo de Nise nos disse: “Nise uma universalidade; agregava talentos sem linha divisória”.  Não havia divisões. Em seu entorno a mais heterodoxa gleba de pessoas, de todos os chamados níveis sociais, que Nise solenemente ignorava, já que bania classificações sociais. Pessoa igualitária por excelência desconhecia níveis sociais. Para Nise só existia a pessoa humana em sua essência, individualidade.
E viva todos os seres de Bem deste Planeta Terra, 
     pelo trabalho de cada dia!