Páginas

quinta-feira, 31 de março de 2016

HOJE 31 de março vamos para as Ruas

Vamos para as Ruas - 
Hoje, dia 31 de março de 2016
Lago da Carioca às 16h - Rio de Janeiro
Pelo
 Estado de Direito
Contra o Golpe
Legalidade
 Democracia
Soberania Nacional

 Abaixo Ditadura Midiática
Dilma Rousseff permanece.
Governaremos com ela.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Carta aberta ao querido povo brasileiro

Carta aberta ao querido povo brasileiro
Reflexões - março de 2016

Não dá pra entender como “cidadãos” que viveram na pele, nos ossos, nas emoções/acompanhando os horrores do golpe de 1964, com retrocessos e mediocridades tantas podem continuar atrelados às negociações da política de baixo teor, coniventes com a perversa mídia golpista. Não se respeita a Constituição, a Democracia, porque os $$$$ valem mais junto à ganância, desejo de elevação social e promessa de podres poderes. Golpistas atrelados às megas corporações nacionais e/ou internacionais inspiram sonhos. Em defesa da Constituição.
O Mundo dá voltas, ainda acredito na inteligência do povo que sustenta o Brasil com o suor de seus corpos; produtores culturais em todas as áreas do saber e trabalhadores assalariados, sofridos construtores de cada dia.
Em defesa das riquezas nacionais, por amor a Petrobras e pela Constituição. Em outubro de 1953 o Presidente da República, Getúlio Vargas, fundou a Petrobras (garantia nacional), seu funcionamento em maio de 1954. Tão bem “compreendido” pelos traidores da época, deu a resposta com própria vida, com o suicídio, no mesmo ano, em agosto de 1954. Ficou na História. Seus adversários viraram pó de cal.
Dilma Rousseff, presidenta do Brasil, democraticamente eleita, com todas as suas falhas governamentais sustenta, segura, a Nação. Fica na História pela dignidade moral e ética.
Em defesa do Estado de Direito e pela Democracia. Golpe frio, armado com total falta de coerência e lisura ética, sem o mínimo de credibilidade. Os ladrões notórios do Congresso são os mandatários do impeachment da Presidenta Dilma quando não existe qualquer crime de responsabilidade? Não se leva o país ao caos por não se aceitar num partido, por não se ter ideias políticas e administrativas afins com o Governo estabelecido. Por pura e simples soberba, ganância política, pisa-se na Constituição ignorando o poder jurídico.
O Brasil não é uma republiqueta, somos uma das economias mais fortes do mundo com todos os nossos erros e acertos. Minha bandeira Verde e Amarela é em defesa do nosso patrimônio – Estado de Direito. Nossa Constituição de 1988 assegura exercícios dos direitos individuais e sociais, fundamental defendê-la.
O que está por trás do Grande Espetáculo, armado na calada da noite, virá à tona. Tudo gira em círculo matemático e preciso.
Soberania Nacional. Dilma Fica.


  *Martha Pires Ferreira - artista plástica, astróloga, apartidária, eremita urbana.

domingo, 27 de março de 2016

Cristo vence a morte, Ressuscitou!

Cristo Ressuscitou!
"A fé na ressurreição pode e deve transformar nossa vida aqui e agora: o engajamento incondicional nessa vida única, aqui e agora, pode e deve ser motivado e confortado por um senso último da vida e da morte, como testemunham incontáveis exemplos. E, no entanto, a fé na ressurreição não se reduz a uma simples interiorização existencial ou a uma transformação social, mas ela é uma radicalização da fé no Deus criador: a ressurreição significa a vitória real sobre a morte, vitória que devemos a Deus, de quem o fiel espera tudo, aí compreendida a realidade última, a vitória sobre a morte. O fim que é um novo começo! Aquele que começa seu Credo afirmando sua fé em Deus, "o Criador todo-poderoso" pode, portanto, concluí-lo tranquilamente afirmando sua fé na "vida eterna", que é o próprio Deus. Pois assim como Deus é o Alfa, é também o Ômega! O Criador todo-poderoso, que convida do nada ao ser, pode convidar, também, à vida após a morte”.
Hans Küng, Credo – La Confession de Foi des Apôtres Expliquée aux Hommes D'Aujourd'Hui. Éditions du Seuil, Paris, 1996.
Fonte / Blog do Círculo Gregório de Nissa - 

João 20; 1,18.
"Maria" "Rabuni!"(mestre!)

Mateus 20;1,10. // Marcos 16;18. //  Lucas 24;1,12
Ele não está aqui, Ressuscitou!
------------------------------

sábado, 26 de março de 2016

A grande metáfora - Leonardo Boff

 A grande metáfora

Leonardo Boff – teólogo/filósofo/escritor
 (Sexta-feira Santa de 2006)

   Para os cristãos a Semana Santa é a grande semana em que se celebra a vida, a morte e a ressurreição de Jesus. Esses três fatos são momentos de um único processo, chamado de "mistério pascal", mistério da passagem (páscoa na linguagem bíblica) da vida para a morte e da morte para a ressurreição. Ou então da passagem do cativeiro egípcio para a libertação do povo no deserto e para a conquista da terra da promissão.
    Hegel quando jovem estudante de teologia em Tübingen (foi primeiramente teólogo bem como Heidegger) em seu Stift (seminário) teve durante a sexta-feira santa uma iluminação que modificou toda sua vida e que está na raiz de sua filosofia. Chama a esta sexta-feira de "sexta-feira santa teórica". Viu a unidade do processo da natureza e da história que passa pela vida, pela morte e pela transfiguração bem como no mistério pascal cristão. Chamou a isso de dialética.
      Se bem reparamos, a semana santa, para além de seu caráter religioso, representa uma grande metáfora. Tudo no universo, nos processos biológicos, humanos e biográficos se estrutura na forma da dialética. O primeiro momento é a tranquila serenidade e paz infinita daquele pontozinho quase infinito de onde viemos. De repente, sem sabermos por que, ele explode. Produz um incomensurável caos. A evolução do universo significa um processo de criar ordem no caos. Cada ser vivo nasce, se desenvolve, morre e se transfigura no Todo. As sociedades passam por crises. As estrelas-guia já não respondem aos novos desafios. Produz-se um processo de dissolução. Quando se define outra forma de organização social emerge uma nova ordem com um outro sentido de ser. O ser humano vive seu arranjo existencial sereno e tranquilo. Eis que irrompe a crise e tudo se abala. Purifica-se, madura e cria outra ordem vital. Esta por sua vez, lentamente, também se desestabiliza e somente volta à serenidade quando elabora outro sentido de vida ou passa para uma outra dimensão além-morte. Em todo esse processo dialético há a experiência de vida, de morte e de transfiguração; de ordem, desordem e nova ordem; de tese, antítese e síntese. A complexidade segundo E. Morin se estrutura nesta dialética.
    Nesta visão dialética a pessoa não foi criada para conhecer um fim na morte, mas para se transfigurar através da morte. Passa, como diriam os alquimistas medievais, por um processo alquímico e entra numa ordem mais alta. Os cristãos chamam a isso de ressurreição. Ela não significa a reanimação de um cadáver, mas a transfiguração completa do ser humano em comunhão com o Ser. É a dialética da semente: "se o grão de trigo, caindo na terra não morrer, ficará só, mas se morrer produzirá muito fruto", como disse o Mestre.
    Hoje a natureza e a humanidade vivem sob pesada sexta-feira santa ameaçadora. Há devastação e sofrimento em demasia. A via-sacra tem estações sem fim. A nossa esperança é que este padecimento se ordene a uma radiante transformação, a um novo paradigma de convivência onde não seja tão difícil tratarmos os seres da natureza com compaixão e nossos próximos com humanidade e com cuidado.
    Depois que Cristo ressuscitou após um fragoroso fracasso pessoal não temos mais direito de ficar tristes e de perdermos a esperança. Do caos pode vir sempre vida nova. A história e a saga de Jesus nos oferecem um sinal credível.
Leonardo Boff é autor pela Vozes de
                Paixão de Cristo-paixão do mundo. 

Jesus crucificado - tão antigo, tão atual!



















Imagem/crucifixo séc. XIX 
Jesus Cristo em galhos de aroeira. 
... Pilatos não vendo culpa em Jesus lavou as mãos e transferiu a decisão para o povo escolher quem deveria soltar. E o povo versificado gritava “Este não, soltem Barrabás”. A história é conhecida - Jesus foi torturado...  Coroa de espinhos e com manto vermelho subiu ao monte calvário/ Gólgota. Ali crucificado: “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus” – escrito em hebraico, latim e grego.
Todos o abandonaram. Ao pé da cruz estava Maria a mãe de Jesus, ao seu lado João, o discípulo, a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas e Maria Madalena.
Fatos tão antigos! Tão atuais!
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

sexta-feira, 25 de março de 2016

Jesus de Nazaré


Quem foi Jesus de Nazaré, meigo, doce e rebelde? Escorraçado e crucificado simplesmente por Amor à Justiça, à Vida, ao Próximo?  Nenhum compromisso com poderosos, apenas com a Humanidade; pessoas comuns em suas complexidades, angústias, vícios ou virtudes. Não julgou ninguém, Foi "julgado" sem que nada nele encontrassem. Assassinado na cruz.
Uma de suas máximas: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. 
Dias de reflexão. 
Cristo Pantocrator Mosaico séc. XIII Mosteiro de Santa Sofia.
Cristo morto- Sem/referência
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

domingo, 20 de março de 2016

BRASIL LIVRE e DEMOCRÁTICO


Estado de Direito Democrático


TRIBUNA DA IMPRENSA - 19 /09/ 1966 - Passeata (dois anos apos o Golpe) Ler o texto - quem não viveu os 20 anos de horrores. Eu vivi, muitos amigos viveram. Todos nós brasileiros vivemos a crassa alienação cultural, estreiteza individual e social. Conseguimos avançar - e vamos continuar a avançar - sempre adiante, adiante, sem atrelações escusas da Casa Grande nem de Corporações Internacionais.
BRASIL LIVRE

sexta-feira, 18 de março de 2016

HOJE, 18 de março de 2016 - RUAS, PRAÇAS, AVENIDAS


ADVOCACIA - AÇÃO DE ADVOGAR
(atribuída a Cor Vermelha - a pedra/gema preciosa o Rubi).
ADVOGAR é intercede em favor da LEI - defende em juízo - razões e direitos [normas e ordens elaboradas pelo poder legislativo / garantidas pela Constituição]
Esperança – Poder Judiciário / Superior Tribunal Federal /de Justiça / – em pessoas de notável saber jurídico e reputação ilibada em defesa do ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO. Esperança.

Em defesa do Estado de Direito > estou indo, hoje, dia 18, para as Ruas, Avenidas, Praças, de branco e cores.
   Pelo meu BRASIL acima de tudo.  
Flores para a Democracia.
Apoio DILMA ROUSSEFF, eleita democraticamente.

quinta-feira, 17 de março de 2016

Presidenta Dilma Rousseff - 17 / 03 / 2016.

Ouvi na íntegra o pronunciamento da Excelentíssima Presidenta da República Federativa do Brasil -
Dilma Rousseff - na TV Brasil - posse dos novos Ministros.
Minha admiração:
 "Projeto de país voltado para os pobres".

 Nossa Constituição tem que ser respeitada.

quarta-feira, 16 de março de 2016

NISE - Imagens do Inconsciente

GRUPO DE ESTUDOS C. G. JUNG

Fundado em 1955 – registrado em 1968.

Leitura e reflexões

 Imagens do Inconsciente
obra de
Nise da Silveira


Início: 30 de março de 2016

 /13 e 27 de abril.
****
Às quartas-feiras de 15 em 15 dias
das 19h às 20h30.
Local
CASA DAS PALMEIRAS
Rua Sorocaba, 800 – Botafogo.
Inf.: Tel. 2266-6465 (das 13h às 17h) / 2242-9341 
O GRUPO DE ESTUDOS É GRATUITO 
            * Está aberto ao público em geral *
Bem vindos os artistas, filósofos, psicólogos, pensadores livres,  cientistas, antropólogos, sociólogos e/ou qualquer pessoa que desejar ler, estudar e/ou conhecer, mais profundamente as
Obras de C. G. Jung e Nise da Silveira.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Flores do Bem

Quero pensar em flores. Flores são presentes da Mãe Natureza. Sempre gostei de desenhar flores desde menina. Bico-de-pena / nanquim e aquarela.




Quando a Flor se desmancha de seus resíduos, da sua essência, observamos o renascer transformado como a Ave Fênix. A vida se revela a cada dia como a luz do Sol. 

sábado, 12 de março de 2016

Brasil - Petrobras


A República Federativa do Brasil não é uma republiqueta; somos uma das economias mais fortes do mundo. O Preâmbulo de nossa Constituição assegura o exercício dos direitos sociais e individuais. Vivemos numa democracia. E devemos defendê-la.
Minha bandeira Verde e Amarela é em defesa do nosso patrimônio. Neste momento, a Petrobras – o Pré-Sal. Tudo é motivo de medo diante das desestruturações internacionais, no topo da loucura triunfalista, do capitalismo selvagem e decadente do mundo moderno, de norte a sul, de leste a oeste. Não vamos admitir gatunagem desqualificada de olho em posse de nossas riquezas, Mãe-Natureza. Nem razões de aqui se instalarem sorrateiramente.

O povo brasileiro, envolvido ou não, acompanhando ou não suas inúmeras contradições, desacertos e disputas de poderes, não pode vacilar diante da gatunagem desqualificada de megas-grupos sedentos em abocanhar nossos bens, nossas riquezas naturais; Ar-vento, Terra fértil, Flora, Sol- energia, Água potável, Nióbio-indispensável na era digital. E por aí vai. Alerto enfática: nosso Petróleo e todas as nossas riquezas nos pertencem. Vamos defendê-las.Vamos dar bananas, bem entendido. Muitas bananas.

 Viva os trabalhadores - os funcionários da Petrobrás!

terça-feira, 8 de março de 2016

Eclipse - fenômeno celeste de intenso mistério e beleza


Não sei exatamente a hora do Eclipse nesta passagem da noite. 
Pelo que sei este Eclipse Solar será visto na Indonésia. Beleza no Oriente. Aqui no Rio de Janeiro a conjunção do Sol e da Lua, hoje, 8 de março, às 22h 53 e a Lua passando os Nodos Lunares se dará amanhã, dia 9, pelas 3h30 da madrugada, aproximadamente // Promissor? Todos gostariam. Não sei, não. Mesmo assim espero que seja. As linhas vermelhas mostram obstáculos intensos e desafiadores. Júpiter/ Sol e Lua/ Júpiter com Saturno/ Sol e Lua / Saturno bom aspecto com Uranus. Plutão em fortes tensões com Uranos, mas promissor com Júpiter /Sol e Lua. Fortes por estarem em graus 16º, 18º e 21º // Muita carga emocional do signo de Peixes (brando Stelium), que aponta Vias para a espiritualidade. Vênus o único planeta em Ar nos pede amorosidade, arte, afeto, mas em fortes tensões com Marte, o deus das guerras, em signo de Escorpião a coisa fica difícil, mas possível, visto que são duas potências de atração intensa, mútuas. Não esquecer que a Astrologia é uma linguagem simbólica! Oremos, por que não? Oremos!
contemplemos esta grandeza celeste.




Dia internacional da Mulher - 8 de março.

Dia da Mulher. Todos os dias são nossos.

Para dar ênfase à liberdade, conquista de direitos civis e dignidade da Mulher foi necessário criar esta data internacional – 8 de março. E vamos a cada dia mostrando aos Homens, a todos os seres humanos, como são importantes as conquistas igualitárias; alteridade em relação às Mulheres. Todas merecemos respeito, afeto, acolhimento e admiração. Oportunidade para cresceremos e floresceremos em suas conquistas políticas e sociais como belas árvores frondosas em realizações; corpo, inteligência e espiritualidade.
Procurando foto significativa para esta data, encontrei muitas de amigas, parentes e personalidades femininas, marcantes para mim, que merecem homenagens. E nessa busca achei foto de minha mãe com duas irmãs e outra com meu pai. Lá pelos anos 1925/26, séc. XX - Praça e Avenida do Rio de Janeiro.

Minha mãe Henriqueta – Queta - Mulher criativa, mãos de fada, legou aos filhos nobreza de caráter, dedicação e dignidade humana. O mais precioso que nos legou foi sua postura de simplicidade e altivez feminina contundente e silenciosa.
Meu carinho a todas as Mulheres, indistintamente, 
e pelo orgulho de sermos Mulheres.
@@@@

domingo, 6 de março de 2016

O Céu dos Astrólogos – Reflexões utópicas?


O Céu dos Astrólogos – Reflexões utópicas?
  – 2 de março de 2016 – martha pires ferreira

          “A Astrologia inclina, não determina” - Observar o Firmamento, os Planetas em seu percurso zodiacal, é ter noção dos possíveis desdobramentos nos acontecimentos terrestres. Estamos, hoje, 6/03/2016, com o Planeta Plutão 17º do signo de Capricórnio, trígono com Júpiter 18º de Virgem, sextil com o Sol de Peixes e quadratura com Uranos 18º de Áries //// Saturno 16º de Sagitário quadr. com o Sol 16º de Peixes, quadr. com Júpiter 18º de Virgem, e este, Júpiter, oposição ao Sol a 16º de Peixes (para não dizer mais - para quem conhece a Astrologia - fortíssimas tensões celestes, pontuais) Dia 8/9 de março um eclipse (lat./long.) Aguardemos. Não é para se brincar de quem vai ganhar o jogo de força de braço.

         Vivemos na história contemporânea transição de valores profundos e abissais, e, afirmo; limítrofes ao Apocalipse. Enfrentamentos em todas as áreas do conhecimento: culturais, religiosos, políticos, econômicos e sociais os mais acirrados confrontos, impensáveis, entre Ocidente e Oriente - Norte e Sul. As megas corporações selvagens, se esfacelando. A todo custo, “os donos do mundo”, querem segurar o filé mignon dos bens de produção – bens comuns a toda a Humanidade - e por tanto os do Brasil, com seu território - suas impensáveis riquezas; Ar, Vento, Água potável, Sol energético, Nióbio - era digital, Terra fértil. Para tanto não se tem ética, qualquer princípio moral para apoderar-se do que não lhe pertence por Direito.
        O Brasil não é uma republiqueta. O Brasil é uma das economias mais importantes do Planeta.
      “Os donos do mundo” vão dilacerando sem escrúpulos. A inteligência racionalista, caricatural, cega, ausente de espiritualidade é distantes da Visão do Todo, da ação solidária, desconhecem o senso de justiça social e dignidade para com o próximo, em particular para com o miserável, que deveria ser acolhido e não mantido à margem.
      A Humanidade num esforço hercúleo dará seu salto quântico para níveis mais elevados - minha bandeira de esperança aquariana.
 Céu hoje

      Como enfrentar um mundo em decadência, econômica e financeiramente falido? Queiram ou não estamos no Terceiro Milênio e este milênio será de abertura, alteridade. Fricções intensas, por um Mundo justo e igualitário, fraterno.
      A humanidade está sedenta de felicidade, justiça social, mais fraternidade e alteridade. Cansada de batalhas sem horizontes. No seu coração sede de alegria, serenidade e quer uma solução; saída para o sentido da Vida plena. Não somos números, somos seres humanos. Não sabemos solucionar as questões do bem comum com felicidade, Reino Terrestre Paradisíaco, para todos indistintamente. Caminhemos na conquista desta utopia.          

sexta-feira, 4 de março de 2016

Brasil Soberano e Democrático









Por traz das cortinas do Grande Espetáculo 
está a ganância pelo poderio do petróleo - do Pre Sal
****
        BASTA DE GOLPES - espetáculo dos insatisfeitos. Não tenho partidos, mas sei o que é fazer política. Nasci em 1939 > veio a 2ª guerra mundial > cresci sabendo o que é horror a todos os gêneros humanos, culturais e sociais. A Humanidade viveu sua agonia. Depois, adolescente, vi as estratégias de golpes sujos de 1954 _ Getúlio _ suicídio > depois o armado Golpe de 1964, quando estudante de Advocacia, atual UERJ _1965, fui pras ruas. Lutamos por DEMOCRACIA: justiça, mais igualdade social, alteridade, solidariedade. Ética jurídica. Vivemos a mordaça da Ditadura perversa. Caminhamos, o Brasil teve conquistas, avanços ímpares, nestes últimos anos. O mundo inteiro está em profunda transição - dos Direitos de poucos para o Direito de muitos  - isto se chama democratização dos bens de produção, de qualidade de vida . Alteridade.
       BASTA, BASTA. Inaceitável Ação Política Ilegal. Aqui estou em defesa da Soberania Nacional > do BRASIL > do ex-presidente da nossa Republica > LUIZ IGNÁCIO LULA DA SILVA.

A noite tem seu horizonte > o Planeta Terra é redondo! Depois da noite nem o dia!

quarta-feira, 2 de março de 2016

Sinais do Firmamento

Reflexões minhas - arquivo – 1998.
Sinais do Firmamento – observações
- martha pires ferreira. 
          A Astrologia é linguagem simbólica. Um processo de autoconhecimento e de transformação. Sua epistemologia se estabelece através dos conhecimentos da mecânica celeste - a correlação entre o planeta Terra, onde nascemos e vivemos, com todo o sistema solar, somado ao saber, simbólico, expresso na faixa do Zodíaco com seus Doze Signos, a partir do signo de Áries, 21 de março, quando se inicia o equinócio da primavera para o hemisfério norte e do outono para o hemisfério sul. A teoria astrológica se fundamenta, basicamente, numa linguagem expressa no mundo mítico, onde o Sol, a Lua e os Planetas representam nossas próprias potencialidades, caracterizadas pelos elementos da natureza Fogo, Terra, Ar e Água.
          As conexões existentes entre os ângulos e a natureza dos planetas com suas projeções na vida terrestre definem a íntima interação entre o macro e o microcosmo. O que nos remete a uma intimidade corpórea, intelectual, emocional e espiritual com o universo em seu todo absoluto. Pulsamos racional e emocionalmente com o Cosmo. Somos Unos com o Universo.

  
















 A Astrologia é processo de depuração profunda, alquímica, em que polaridades ativas e luminosas se complementam às receptivas e sombrias; exercício de elaboração dos “metais interiores”. Elaboração pessoal que se estende ao mundo coletivo na obra da criação - tentativa de liberar o ser humano das tramas da fatalidade e do determinismo conduzindo-o a estados de consciência cada vez mais elevados.
          A Carta Natal pode nos dar uma visão geral, jamais precisões exatas. A Astrologia com sua metodologia, sistemas os mais complexos, não é suficiente para oferecer resultados de precisão. Há limites próprios por ser acausal. Seus cânones não são os da razão pura, nem infalíveis para o conhecimento e domínio da natureza. Não é governada por leis cartesianas inflexíveis, imutáveis, uniformes. Acausal, ela depende da livre expressão de cada indivíduo: “os astros inclinam, não determinam.” As escolhas estão sempre movidas por possibilidades inatas, tendências, predisposições. São fenômenos de sincronicidade, no tempo e no espaço.
 Índia s/f.

          A Astrologia, enquanto objeto de observação dos ciclos planetários se manifestando no coletivo, no contexto mundial, sejam nações, instituições, ocorrências sísmicas, meteorológicas, organizações empresariais, decisões políticas, acordos diplomáticos, etc., analisará a partir dos mesmos conceitos básicos do céu zodiacal. Eventos culturais, acordos políticos, e assim por diante, são matérias de observação.
          E Astrologia como recurso de observação de questões mundiais é, talvez, o que há de mais complexo e mais sofisticado na ciência e arte da analisar o céu. Exige-nos acompanhamento das histórias civilizatórias, em épocas as mais remotas até a contemporânea. Sinalização das grandes conjunções celestes, em especial, em momentos que marcam profundas transformações políticas, econômicas e sociais – Estado e/ou Nações.
 sinagoga/ mosaico s/f.

          Não se pode falar da história do pensamento sem incluir a contribuição que a Astrologia, de mãos dadas com a Astronomia, exerceu na Antiguidade mais remota. No berço de todas as civilizações, a Astrologia se voltava para a compreensão das necessidades de seus povos - os fenômenos cíclicos da natureza se manifestando no mundo agrícola e pastoril, os tipos de governo e as decisões de guerra e de paz.
          Na Antiguidade, o saber astrológico estava a serviço da compreensão do Universo e das realizações terrestres. Temos sede da compreensão do Absoluto.
          A história da civilização nos mostra dicotomias entre os anseios do ser humano e sua relação com o Universo. Com a não observação dos sinais “escritos nas estrelas”, a história do homem se tornou a história das prepotências e das tiranias políticas, militares, religiosas e econômicas. Reinos de genocídios internacionais. Armadilhas que aprisionam os lobos da concorrência mundial.
          A Astrologia só tem futuro: resgatar a conexão humanista, masculino e feminino, Yang e Yng, com o Cosmo. Não haverá harmonia enquanto não houver uma compreensão da sinalização da linguagem celeste a serviço da Humanidade inteira. Céu e Terra numa só realidade.
Zigourat de Ur - 2.100 a. C.
          A Astrologia precisa estar a serviço dos valores humanos básicos que a atualidade, desorientada e caótica, deseja ansiosamente recuperar: serenidade interior, confiança no presente e perspectivas para futuro tranquilo. A integridade pessoal, liberdade, senso de justiça, autenticidade, dignidade, profundidade, capacidade de amar, de se dar, de ser feliz e de compartilhar com seus semelhantes com bondade e generosidade emocional e intelectual. Viver a plenitude de pertencer e colaborar com a criação, com o Inominável. Ter alegria por isso.

          Astrologia não é um negócio rendoso, é um dar-se em amorosa disponibilidade ao processo formador da criação. O Astrólogo não é mais que um mero intérprete dos recados do Criador para a criatura.
                   
 Zodíaco - Catedral de Chartre, séc XIII
Texto publicado - Oficina de Astrologia / Revista nº. 1 Ano I * Dezembro de 1998. Pequena revisão – fevereiro de 2016.