quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Flores do Bem

Poema de Natal

Vinicius de Moraes (1913-1980)

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.
_________________________
Como conheci Manuel Bandeira e Vinícios de Morais
Sei o quanto os dois gostariam de ver suas poesias
aqui presenteadas desta passagem de Natal
trazendo doçura ao mundo desgovernado.
____________________________

Um comentário:

Anônimo disse...

Querida Martha, feliz Natal para você!

dica: um momento musical:
http://www.youtube.com/watch?v=Us-TVg40ExM&eurl=

Helion