Páginas

sábado, 8 de abril de 2017

Domingo de Ramos, entrada triunfante em Jesusalém

Cortejo triunfante , entrada em Jerusalém, Escola da Grécia - Museu de Atenas 
Numa sociedade em que o sagrado é banalizado e o ceticismo domina, sem saber como lidar com o materialismo exacerbado, a violência, a perversidade planejada dominando nosso ferido Planeta Terra, me volto incontinenti e reflexiva a este tempo de quaresma, dia de Ramos, em que se comemora o cortejo triunfal de Jesus Cristo, o Nabi, entrando em Jerusalém, há dois mil anos, como se fosse ontem.
Quem é este Homem que enfrentou o alto escalão romano e seus iguais sem temor, com ousadia e rebeldia? Pregava a fraternidade, igualdade, solidariedade, convivendo com os mais simples; marginais, pescadores, operários, fariseus, despossuídos, no meio do povo e das elites econômicas bem nascidas, caminhando e almoçando com homens e mulheres das mais diversas procedências morais. Amava a natureza, as crianças, o silêncio. Não julgava, nem condenava, não usava armas.  Não seguia regras e desobedecia a padrões cobrados pelos donos da religião, pela sociedade hipócrita. Dava exemplo de concórdia e amorosa afeição incondicional falando por metáforas, parábolas, signos emissores, poesia com ternura.
Quem é esse carpinteiro, filósofo, andarilho Joshua, tão difícil de achar?
O poeta Paulo Leminski em sua obra Jesus a. C., pág. 53, Ed. Brasiliense, escreve: “Jesus caiu na armadilha”. Judas Iscariotes o vendeu por dinheiro. Depois de mil sevícias, ultrajes e crueldade, Joshua é condenado ao suplicio da cruz, tipicamente romana.
Domingo, 9 de abril de 2017, dia de Ramos.

 Reflexão cultural e religiosa debruçada em Joshua: “A lâmpada do corpo é o olho. Se o olho é sadio, o corpo inteiro fica iluminado” (Matheus, 6;22)
Aqui fica minha reflexão - martha pires ferreira
Missal cotidiano, 1952 - ilustração Cramer
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Nenhum comentário: