sexta-feira, 31 de julho de 2015

Alan Watts, sabedoria viva.


Mais Alan Watts. 

          Watts foi sem dúvida, nos meados do século passado, um dos introdutores mais eloquentes da cultura Oriental para o Ocidente. Influenciou toda uma geração, a qual faço parte. Escreveu dezenas de obras com simplicidade e pontuações sábias. E sua postura existencial nada preconceituosa era exemplo admirável. 
          “No Zen, o mestre nada ensina ao aluno, mas força-o a aprender por si mesmo, e mais do que isso, não se considera um mestre, posto que somente em relação ao despreparo de um estudante é que se pode falar em mestres. Somos forçados a encontrar nossos próprios caminhos por nós mesmos, não através dos mestres, mas por sua ausência, de maneira que não haja a tentação de depender dos outros. É verdade que no Japão o estudante zen tem a naturalidade do seu mestre para embaraça-lo”. (Alan Wats -This is it – O Zen e a experiência mística, Cultrix, pg. 69)
 Precisamos ler e acompanhar Homens e Mulheres de grandeza humana e espiritual para compensar a mediocridade, estupidez e mesmo a gama de perversidade, diabolicamente, solta no Planeta Terra.~~~~~~~~~~~

Nenhum comentário: