segunda-feira, 27 de maio de 2013

Processo criativo

Processo criativo
                                                            Martha Pires Ferreira
                                         Exposição - 40 Anos de desenho/ 2008.

          Todo ser humano é potencialmente um criador. A criatividade é essencial à natureza humana, à expansão da personalidade.
        O processo criativo se dá por conexões; impulsos internos e desejos de expressão interagem intuitivamente com o mínimo da interferência lógica, racional. Assim, penso, deveria ser. Para outros, ocorre o inverso, é o domínio da racionalidade com um quantum de impulso instintivo.
          O anseio imagístico procura dar forma, ao se deixar revelar, desvelar o que antes era invisível ao conhecimento. É o novo que brota genuíno e real. Arte é descobrir, é tornar visível o que não existia. Não se cogita beleza estética, e sim dar origem a. Os caminhos são complexos e, por vezes, paradoxais. A apreensão sensível de conteúdos expressivos nas artes plásticas, musical ou poética são experiências efetivas e diretas da sensibilidade criadora de cada pessoa, individualmente. A obra de arte não se limita ao objeto em si, é mais que representação pictórica.
          Criatividade é processo inesgotável. As mãos engendram quase por magia; nas atividades plásticas desde o artesão das cavernas, passando por toda a história da arte antiga, clássica e moderna com Cézanne, Matisse, Picasso, Paul Klee ou à sofisticada cognição intelectual interagindo simultânea, sensitivo e emocional, nas obras de artistas contemporâneos, brasileiros, como Lygia Clark, Tunga ou Cildo Meireles. Citando estes apenas.
           Os olhos, um telescópio; constata e contempla a obra realizada, indo além, num mergulho misterioso. A criatividade é a mola impulsionadora da essência da vida. A obra pronta, é quem fala, se faz real e presente. É mais que um objeto.
         No meu caso pessoal, desenhar é um ato de liberdade que se faz incontinenti. É deixar mostrar o latente, revelação, espanto intelectual e emocional obedecendo ao que a intuição determina. Deixar o imprevisível acontecer, descobrir, tocando o abissal. A sensibilidade é o tom que contribui para a criação pictórica se tornar manifesta. O artista é, apenas, um instrumento ativo no processo.
          Enlouquecida, aprendi com Hokusai (1760 – 1849) que no exercício de desenhar, no penetrar na essência de todas as coisas manifestas, pode-se chegar a um nível de consciência, de saber, mais elevado, impensável, onde tudo vive; cada ponto, gesto, linha, cor. Arte é celebração. O que a imaginação apreende como fogo criador, sopro e beleza, é verdade, é espiritualidade. Além disso, nada sei.
________________________
Texto > Exposição individual - 40 anos de desenhos / Performance > Som e Silêncio.Galeria Mauá/ Chave Mestra / Santa Teresa – 2008 - Rio de Janeiro.
----------------------------------------------





desenhos bico de pena  / nanquim


- ouvindo / 2012


- reflexiva / 2013.

Nenhum comentário: