Páginas

domingo, 22 de abril de 2012

Idade Média versus Idade Contemporânea


Transição complexa vivia o ser humano na alta Idade Média. Batalhas arraigadas e confrontais como as contemporâneas; racionalidade versus irracionalidade. Contrários de opostos; ponderável e imponderável, luminosidade e obscurantismo, cognoscível e incognoscível, imanência e transcendência.
A sabedoria nos aponta, hoje, observar à distância quando impossíveis interferências conciliadoras e efetivas. O Homem, espécie, perdeu a direção? O sistema sócio-político-econômico-financeiro-jurídico-religioso-artístico perdeu o rumo?
Não é o fim da História, mas fim de um ciclo, fim de normas e comandos desgastados e inviáveis num mundo que explodiu fantasticamente com os avanços industriais e tecnológicos. Vivemos a falência do pensamento unilateral, o declínio da cultura. A perplexidade diante de um mundo sem clareza intelectual, perdida em seus valores éticos e morais.
O mundo natural, Mãe Gaia, clama no deserto os graves riscos de posturas fundamentalistas, excludentes sem oportunidades para todos, igualitariamente. Há espaço e possibilidades para todos habitantes do Planeta Terra, não existe é interesse e vontade generosa de acordo com as distribuições das riquezas naturais. Uma Casa feliz é aquela em que todos estão protegidos, alimentados, acolhidos em suas potencialidades inatas, criativas.
Povos da Terra, bípedes pelados, sejamos todos solidários. Radicalmente solidários.
Dizia Albert Schweitzer: “somos chamados a viver; nossa vocação fundamental é viver”. A espécie humana, longe de ser profunda em suas reflexões e ações efetivas para o bem comum, não apreendeu que o simples é a verdadeira beleza da felicidade. A mais elevada e nobre finalidade do ser humano é ser humano.
_________
Chateau d’Angers (Maime-et-Loire) Tapeçaria Apocalipse Nicolas Bataille 1375 à 1380 depois dos cartões de Hennequin de Bruges
   – Invasão dos cavaleiros do Inferno e Luta com o Dragão

Um comentário:

Anônimo disse...

Martha, qual o seu e-mail e telefone para marcar uma consulta astrológica?
Obrigada,
Suzana