domingo, 18 de dezembro de 2011

Silêncio

Silêncio
quietude que se cala
interrompe conversas
falatórios, correspondências, textos.
Tempo suspenso da alma
ausente de ruídos externos
vozes sem palavras
preciosidades interiores.
Convite, segredos sendo o
auscultar sopros
mistério a cada dia
novo e eterno dia.
Esperar nada, nada desejar
vazio silente
percepções sutis.
Advento que anseia nascimento
espera sem tempo
Instante nenhum.

martha pires ferreira/ dezembro 2011 ______

Um comentário:

Canto da Boca disse...

Eu gosto do som do silêncio, sobretudo, porque é quando eu verdadeiramente me escuto!

;)